Você está interessado neles OFERTAS? Economize com nossos cupons em WhatsApp o TELEGRAM!

Adeus privacidade: a Europa está a considerar uma medida que certamente violará a nossa privacidade

Depois de ser pronunciado sobre inteligência artificial, as instituições europeias preparam-se para tomar uma decisão espinhosa em matéria de privacidade e segurança on-line. Uma proposta em vigor desde 2022 e atualmente em apreciação prevê um sistema de digitalização massiva de mensagens digitais, incluindo os encriptados, com o objectivo declarado de identificar material de exploração sexual de menores. Uma iniciativa que suscita medos e perplexidades entre muitos.

Adeus privacidade: Europa planeja verificar mensagens em massa

A regra descreve um mecanismo de “moderação de uploads”O que permitiria a digitalização de mensagens, bem como de todas as comunicações digitais, desde imagens a vídeos e links. Os provedores de serviços de mensagens devem obter autorização do usuárioi para digitalizar seu conteúdo, caso contrário você não poderá compartilhar imagens ou links.

Uma situação paradoxal, para alguns talvez um cenário distópico, que colocaria em causa a política de privacidade qualquer comunicação. Certamente é uma coincidência, mas o WhatsApp apresentará em breve um recurso específico para isso aumentar o grau de proteção em relação aos usuários.

A proposta parece contraditória no que diz respeito à criptografia ponta a ponta, inicialmente reconhecida como um baluarte dos direitos individuais, mas depois indicada como uma potencial “zona franca” para a disseminação de conteúdos ilícitos. A solução sugerida é: permitir que as mensagens sejam verificadas antes da criptografia, por exemplo em aplicativos como Signal, WhatsApp e Messenger.

Uma hipótese que Meredith Whittaker, presidente da Signal, definiu como inaceitável, ameaça de interrupção do serviço na Europa se a lei for aprovada. Uma medida que prejudicaria os fundamentos da segurança criptográfica, criando falhas que poderiam ser potencialmente exploradas por invasores.

Não é surpresa que organizações como a Electronic Frontier Foundation, o Center for Democracy & Technology e a Mozilla tenham assinado um acordo documento conjunto para se opor a esta deriva de segurança. Muitos parlamentares europeus também expressaram preocupação, incluindo Patrick Breyer, eurodeputado alemão, que destacou como a proposta viola um direito fundamental: correspondência privada.

Uma pesquisa realizada pela European Digital Rights mostrou que bem 66% dos jovens europeus são contra a políticas que permitem aos provedores verificar mensagens e, em geral, examinar minuciosamente as comunicações privadas. Um facto que deveria fazer reflectir os decisores políticos, muitas vezes demasiado distantes dos sentimentos das novas gerações, os nativos digitais para quem o A privacidade online é um direito essencial.

Gianluca Cobucci
Gianluca Cobucci

Apaixonado por código, linguagens e linguagens, interfaces homem-máquina. Tudo o que é evolução tecnológica me interessa. Procuro divulgar minha paixão com a maior clareza, confiando em fontes confiáveis ​​e não “à primeira vista”.

Subscrever
notificar
convidado

0 comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários
XiaomiToday.it
Logotipo